Fretes de alimentos crescem 43% durante dois meses de isolamento.

O movimento de cargas de itens essenciais ou primários aumentou significativamente em março e abril, primeiros meses de isolamento social, em relação aos dois primeiros meses do ano.

A informação é da startup de logística Cargo X, que aponta 43% crescimento para alimentos e 53% em itens de higiene em contraste com quedas em vestuário (62%) e eletrônicos (71%) na mesma comparação.

“Esses dados acompanham o comportamento do consumidor, que tem mudado seus hábitos de compra, influenciando toda a cadeia e o ecossistema logístico”, aponta o CEO da Cargo X, Federico Vega.

Adiantamento

No mês de março, a logtech (startup do setor de logística) anunciou um adiantamento R$ 30 milhões para ajudar os transportadores e pequenos frotistas a transportarem, justamente, itens essenciais.

O transportador recebe 70% do valor no momento em que o caminhão está sendo carregado e os outros 30%, assim que a entrega for finalizada. Mesmo antes da pandemia, a startup já trabalhava com o adiantamento de uma parte do pagamento.

“Acreditamos que esse fundo é importante para continuar levando os insumos mais necessários para a população no momento, ao mesmo tempo que mantemos a renda do transportador e pequeno frotista durante esta crise”, afirmou Veja.

Sinergia

Outra iniciativa que a empresa adotou e que é de grande ajuda neste período de desaceleração de alguns setores da economia para ajudar as transportadoras é o Projeto Sinergia, que tem como objetivo reduzir o tempo de ociosidade dos caminhões.

“Se o motorista fica alguns dias sem frete, ele está, literalmente, perdendo dinheiro. Logo, o projeto Sinergia é um modo dele trabalhar com muito mais eficiência”, explica Vega.

A empresa também enviou mensagens pelo app da Cargo X para destacar um Manual de Boas Práticas para o caminheiro, contemplando os cuidados como higienização dos volantes; o envio de documentos por vias digitais; evitar aglomerações e contato físico em paradas, postos de gasolinas e lanchonetes.